5 de abril de 2019

Como identificar a mentira


http://www.flaviomeloribeiro.com.br/2019/04/como-identificar-mentira.html
A mentira prejudica tanto a outra pessoa quanto a si próprio. Ela engana, difama e principalmente tira a confiança quando descoberta. O mentiroso também sofre ao ficar prisioneiro da própria inverdade. Se é tão prejudicial, o que faz as pessoas terem dificuldade de perceber a mentira? E o que é possível fazer para desmascarar o mentiroso?
O primeiro ponto a esclarecer é que só mente quem detém a verdade. É necessário conhecer todos os elementos para então, deliberadamente, alterar os fatos. Tanto que a pessoa que está equivocada e comenta tendo certeza que está correta não mente. Se equivoca. Ou alguém que passa uma informação da qual lhe mentiram, também não está mentindo. É uma vítima de uma inverdade que lhe foi passada propositalmente.
Para identificar a mentira é necessário separar o discurso da realidade como se apresenta. Fala a verdade aquele que expõem o discurso coincidente com a realidade, dessa forma, o inverso também é correto, quando se compara o discurso e ele não for compatível com o real, é uma mentira. Mas, então, porque as pessoas têm dificuldade de identificar rapidamente quando estão sendo enganadas? Porque um “bom” mentiroso apresenta em sua história pelo menos 50% de verdade, e assim o faz para que não entre em contradição quando questionado. Ao se manter na parte verdadeira da história e evitando ou omitindo a parte que quer esconder, se faz parecer ao outro como honesto.
Em outras situações é a própria pessoa que se deixa enganar, ou porque ama demais e não quer perder a pessoa com quem se relaciona, mesmo identificando que o outro está mentindo; ou porque tem muito a perder, e por medo “deixa passar”. Mas com o tempo as pessoas percebem que só se prejudicaram permitindo entrar no jogo do mentiroso, pois também foram construtoras de uma relação frágil, sem confiança e sem o sentimento de orgulho, tão importante para a pessoa sentir-se segura.
Porém, se o objetivo é identificar a verdade, descreva o cenário da história contada: O ambiente, os detalhes que o compõem, procure identificar possíveis contradições. Aquela frase que não encaixa. E se encontrá-la, não exponha a contradição, explore um pouco mais. Deixe o outro falar a respeito. Identifique o fluxo de tempo, veja se é compatível com as atividades feitas. Saiba um pouco mais sobre as pessoas que fizeram parte da história e as localize no cenário que já montou. Perceba as ações realizadas e os motivos que a fez agir da forma como contou. É nesse contexto que se identifica as contradições entre o que foi contado e o que é real. Porém, tome cuidado, pois o mentiroso quando não consegue mais se manter na parte verdadeira da sua história e percebe que o outro está preste a descobrir a verdade, tende a encerrar o assunto, ou mudando o que estão conversando ou mesmo dizendo que não tem mais o que falar. E caso continue se vendo confrontado com a realidade, tende a estourar e acusar a outra pessoa de embaralhar a história, no mesmo momento em que se apresenta como vítima, tentando incutir a culpa em quem busca a verdade. E dessa forma tenta sair como inocente. Mas no fundo apenas está assentando mais um tijolo da prisão em que está construindo para residir.
Escolher se pautar pela verdade é trilhar um caminho ético.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro

CRP12/00449


A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386

Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Instagram: @flavioviver
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

12 de março de 2019

Ejaculação precoce, um problema possível de ser resolvido


Ejaculação precoce, um problema possível de ser resolvido - Flávio Melo Ribeiro
A ansiedade, o medo e mesmo uma grande expectativa de estar com a pessoa da sua vida podem ser o gatilho para ocorrer a ejaculação precoce na hora do sexo. Um problema constrangedor que traz sérios problemas psicológicos. E, caso seja recorrente, também causará um problema para a pessoa com quem se está relacionando, pois a impossibilita de viver o prazer e de chegar ao orgasmo. A ejaculação precoce caracteriza-se pelo homem ejacular alguns segundos depois de iniciar a penetração. Em alguns casos, ocorre antes mesmo de penetrar. O lado positivo é que esse problema pode ser resolvido. Para compreender a superação desse problema é necessário entender três aspectos que o envolve: 1) o significado psicológico do relacionamento sexual que faz a pessoa criar uma expectativa tão grande que a envolve de ansiedade e receios a ponto de ocorrer a ejaculação precoce. 2) possuir um conhecimento do seu próprio corpo para identificar com certa antecedência quando irá ejacular para que possa aprender a controlar essa ânsia. 3) saber trabalhar o organismo para mudar seu aspecto psicológico e consequentemente viver uma sexualidade plena.
Vou tentar explicar algo complexo de forma sucinta, espero ser compreendido. Quando se observa o tempo de forma linear, o passado está atrás e o futuro está a nossa frente como algo a ser ainda realizado. Mas no aspecto psicológico é possível encontrarmos o futuro no passado. Por exemplo, quando lembramos dos desejos, dos planejamentos e das expectativas que ocorreram meses ou anos atrás, estamos falando de um futuro, de algo que gostaríamos de ter feito, mas que agora está no passado. E quando nós temos uma coleção de desejos e planos que deram certos, trazemos essa somatória de vitórias para o presente, e nos reconhecemos como vitoriosos e nos tornamos seguros. Então sentir-se seguro é se reconhecer capaz de ter sucesso visto das vezes anteriores que enfrentamos o futuro o conseguimos êxito. O inverso também é verdadeiro, se acumulamos derrotas diante das ações realizadas no passado, nos sentimos inseguros de conseguir sucesso. No caso da sexualidade, se o homem passou por diversos episódios de ejaculação precoce, pode trazer como verdade psicológica o reconhecimento de que é um homem que vai ejacular logo que inicia o ato sexual, fazendo essa forma concretizar o que diz de si próprio. Com isso, fica preso num ciclo vicioso em que agrega também o medo de vir a ocorrer novamente, e esse medo o faz ficar ainda mais preso à verdade do fracasso e fixo na expectativa que irá gozar logo depois da penetração.  Esse ciclo precisa ser quebrado.
Um outro ponto que precisa ser visto no passado são suas expectativas e ansiedade diante de quem vai se relacionar sexualmente. A maneira como vê o outro pode influenciar em como vai agir e se emocionar. Por exemplo, caso antecipe que a pessoa com quem vai se relacionar espera muito dele, pode ocorrer uma cobrança excessiva de si, criando uma ansiedade e terminando numa ejaculação precoce.
Um segundo aspecto é a importância de conhecer o próprio corpo, reconhecer os sinais de excitação e, consequentemente, seu controle sobre a ejaculação. Quando o homem é muito ansioso, ele quer tudo para já, e raramente presta atenção em si. Em geral, o ansioso por querer acabar com o sofrimento, acaba sendo distraído em relação aos detalhes. E isto é válido quando se refere ao próprio corpo. Conversando com diversos pacientes fica nítido o quanto acabam tendo dificuldade de falar como sentem o seu próprio corpo, por não lembrar o que sentiram. Mas conseguem falar em detalhes do sofrimento psicológico, do constrangimento diante do outro por ter ejaculação em questão de segundos. Aquele momento que vive como fracasso ganha uma ampliação psicológica enorme, levando esse sofrimento para sua vida futura em forma de medo, e entra no ciclo vicioso: medo – ansiedade – falta de controle sobre o corpo – ejaculação precoce – constrangimento – sensação de fracasso – medo de vir ocorrer novamente. Uma forma de se conhecer para cortar esse ciclo vicioso é pela masturbação.
E, por fim, o terceiro aspecto é a transformação psicológica da insegurança para a segurança, por meio do conhecimento do próprio corpo. Isto pode ser feito se masturbando! E se o fizer de uma forma que consiga prolongar o tempo antes de ejacular, vai acumular vitórias que contribuirá para sua segurança psicológica. Com o tempo conseguirá fazer espontaneamente e, consequentemente, conseguir curtir prazerosamente o ato sexual. Mas como fazer isso? Para não me estender, convido você leitor a assistir o vídeo sobre esse assunto, onde abordo exercícios que você pode fazer para alcançar sucesso na sexualidade. Segue o link do vídeo: https://youtu.be/UIEq_Utz1PM

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449


A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386

Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Instagram: @flavioviver
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

1 de março de 2019

Disfunção erétil, como superar esse problema

Disfunção erétil, como superar esse problema - Flávio Melo RibeiroAlgumas pesquisas apontam que mais de 25 milhões de homens no Brasil sofrem de disfunção erétil e 70% tem como origem problemas psicológicos, como a ansiedade. Como psicólogo, vou abordar o tratamento psicológico, e há dois caminhos a seguir: 1) focar no problema, vendo as diversas causas e entender o porquê isto está ocorrendo, com o risco do paciente ficar mais ansioso, pois uma vez sabendo os detalhes, tende a reconhecê-los quando está sendo acometido pelos sintomas e tende a sofrer e perder o controle emocional; ou 2) focar no aspecto positivo, ver o que pode ser feito para viver plenamente a sexualidade, deixando para focar o problema apenas quando este realmente for algo tão arraigado na sua personalidade que não tem como ultrapassá-lo sem resolver essas amarras do passado. Por perceber que a Psicologia Positiva traz muito mais benefícios aos pacientes do que a psicologia clínica tradicional, vou abordar nesse artigo levando esse aspecto em consideração, apontando como ultrapassar positivamente o problema da disfunção erétil de fundo emocional.
Das diversas opções em focar positivamente a vivência psicológica da sexualidade, cito a importância de focar na busca do prazer de quem você está se relacionando. Se você manter isto presente, sua atenção estará focada no aspecto positivo e não no fracasso, e isto já é uma diferença enorme para superar o problema emocional da disfunção erétil. Tenha presente que a sexualidade inicia horas antes do ato sexual, quando você de alguma forma pode envolver a outra pessoa no clima da sexualidade. Nesse período anterior procure imaginar as diversas possibilidades de satisfazê-la sexualmente sem penetração, pense nas diversas possibilidades de masturbação, sexo oral e outras formas que você se sente seguro para fazer e que você reconhece que terá sucesso em satisfazer.
Enquanto sua atenção estiver na outra pessoa, existe a tendência de não prestar atenção no seu próprio corpo, deixando-o relaxado e mais preparado para que tenha uma ereção. Deixe-se envolver pelo clima gostoso da relação, descubra novas forma de prazer, perceba seu corpo, o corpo de quem você se envolve. Viva a positividade da vida, do sexo, do prazer. Se gostou do texto compartilhe, ajude outras pessoas.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449
A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Instagram: @flavioviver
Página no Facebook: Viver –Atividades em Psicologia

Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

22 de fevereiro de 2019

Sua empresa é composta de pessoas talentosas?

Sua empresa é composta de pessoas talentosas? - Flávio Melo Ribeiro
      Montagem de equipe de alto rendimento é um tema complexo, pois exige uma gama variada de requisitos e características. Porém de nada adianta treinamentos, liderança, sistemas gerenciais caros se a base: colaboradores e talentos não estiverem aptos a exercer as respectivas funções. O primeiro passo, por mais que o assunto esteja batido, é o processo seletivo. Os colaboradores são as engrenagens e os talentos os pistões da era da informação. As forças geradoras das inovações e invenções da nossa época. Sem as pessoas capacitadas, hábeis e com recursos necessários, não teríamos o mundo organizado como ele é hoje. O problema é como garimpar essas pessoas antes que a concorrência o faça e como mantê-las na organização. Além disso, como identificar um candidato talentoso de uma pessoa esforçada com bom discurso.
      Quando se fala em Talento não se quer dizer, uma pessoa que já nasceu pronta sabendo fazer algo, mas que ela nasceu e desenvolveu no decorrer das experiências características que possibilitam fazer determinadas tarefas com habilidade muito superior as outras, alcançando resultados superiores. Identificar essa base é fundamental para medir a gama de possibilidade e resultado que o candidato pode alcançar. E isto não é medido no seu currículo, nem no seu discurso. Há necessidade de testes práticos, ou ligados as atividades, ou testes científicos reconhecidos que meçam isso. Há necessidade de utilizar a ciência para isso, acabou a época da seleção por intuição, por indicação, por mera rede de relação. Ou você tem os melhores para compor sua equipe, ou você está na vala comum.
      O problema de onde achar o Talento é que ele pode estar em qualquer lugar, as vezes mal aproveitado, realizando tarefas não condizentes com suas características e consequentemente apresentando resultado abaixo do que pode desempenhar. Pode estar próximo ou longe de onde você está procurando. O importante é acabar com os “jeitinhos” e a pressa pela montagem da equipe. A base desse trabalho eu tenho constatado em empresas vencedoras e são comportamento e resultado. A união dessas duas bases possibilita unir numa mesma equipe pessoas com diferentes características e mesmo assim eles tendem a buscar a solução dos problemas sem pensar em si. O que está no foco dessas pessoas é a capacidade de buscar o resultado planejado e não inflar o ego.
      A montagem de uma equipe de alto rendimento requer tempo e paciência. Pode demorar mais a monta-la, porém uma vez feito, os Talentos tendem a ficar mais tempo na organização, pois é gratificante a eles terem colegas que também são talentos. Muito dessas pessoas saem da solidão existencial quando ingressam numa equipe em que os colegas lhe desafiam e ele pode explorar de forma saudável todo seu potencial.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro CRP12/00449
A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Instagram: @flavioviver
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

14 de fevereiro de 2019

Como escapar de um relacionamento abusivo


Como escapar de um relacionamento abusivo - Flávio Melo Ribeiro
Vários são os motivos para entrar ou manter um relacionamento abusivo, desde a insegurança, da auto desqualificação, achar que a outra pessoa lhe traz segurança, sentir-se amada, considerar que mais ninguém lhe fará feliz, o prazer na sexualidade, entre tantos outros motivos. Porém, o que faz a pessoa não conseguir sair de um relacionamento considerado abusivo e que lhe faz mal?
Não basta se reconhecer no sofrimento, pois isto não é suficiente para a pessoa escapar do julgamento do outro. A saída começa quando a pessoa visualiza outra forma de relacionamento, o qual lhe faz muito mais sentido, um cenário que deseja para si. Quando isto ocorre, possibilita a pessoa avaliar seu relacionamento com outros parâmetros. E, dessa forma, consegue perceber o que está vivendo de negativo, com a possibilidade de lutar para alcançar o que imaginou.
Para facilitar a visualização desse novo cenário é possível prestar atenção em outros relacionamentos, viajar para conhecer novas culturas, ler e se instruir a respeito do que é um relacionamento saudável, estudar sobre bem estar e qualidade de vida. E com essas informações montar o cenário de vida que deseja para si. Uma dica importante é antes de imaginar esse novo cenário, eliminar as barreiras que encontra na vida real. Por exemplo, a pessoa que tem medo da solidão, e por isso pensa que mesmo não estando em boa companhia é melhor do que viver a solidão, deve nesse caso pensar o seguinte “se não tivesse medo da solidão, o que eu faria”. Então passar a imaginar como deveria ser sua relação. Tentar não imaginar rostos, se deixar livre para compor imaginariamente a relação que deseja ter.
Esses cenários positivos, que trazem a sensação de realização, são ideias para fazer frente ao relacionamento abusivo que está vivendo, e servirem de motivação para escapar de quem lhe subjuga. Porém nem sempre é fácil fazer sozinho, caso tenha dificuldade de identificar o que realmente quer para si, ou mesmo buscar orientação em como lidar com a outra pessoa no momento do término, procure ajuda de um psicólogo.
Assista o vídeo clicando no link junto ao texto para compreender melhor esse assunto. https://youtu.be/leS6kIkCJPM


Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449


A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386

Instagram: @flavioviver
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

31 de janeiro de 2019

Por que as pessoas quebram promessas?

http://www.flaviomeloribeiro.com.br/2019/01/por-que-as-pessoas-quebram-promessas.html

Você conhece alguém que promete, mas não cumpre? Diz que vai fazer, mas não faz? Às vezes a promessa é para si próprio, e mesmo assim não leva adiante, como por exemplo: segunda-feira inicio a dieta; ou algo mais sério, vou parar de beber! O que faz a pessoa não levar adiante o que ela mesma quer realizar? Por que é tão difícil? Em geral é porque faz de um modo errado. Então vamos ver como fazer de um modo efetivo.
 Existem três elementos por trás da promessa. O motivo, que é algo objetivo, que está no mundo e me faz agir para alcançar o que desejo; por exemplo vou parar de beber porque alcoolizado tenho causado problemas em família. Um outro elemento é o móbil, que é subjetivo, um sonho, algo que mexe com as emoções; por exemplo, a pessoa vê um celular numa vitrine e se encanta com o aparelho, entra na loja e o compra; às vezes não existia nenhum motivo, comprou apenas porque achou lindo e é o modelo que mais adorou. E também existe o fim, que é o elemento que une tanto o motivo como o móbil, lançando-os no futuro.
Quando prometo, desejo alterar algo no futuro que está vinculado a uma objetividade ou subjetividade. E o faço com total honestidade, realmente desejo mudar. Porém, no outro dia, a possibilidade de fazer o prometido, ou agir de outra maneira, têm o mesmo valor, é necessário escolher. Para manter a promessa é necessário recorrer ao passado, relembrar que prometi para que ela ganhe força novamente. Porém essa estrutura é frágil, pois facilmente é desmontada. Diante do balcão de bar o alcoólatra vai precisar escolher beber ou seguir a promessa de não mais beber. E ao pensar, vou beber apenas hoje para comemorar a vitória de uma conquista, ele afasta rapidamente a promessa e se vê livre para beber, principalmente se ele completar o pensamento dizendo que ele inicia a abstenção da bebida “amanhã”.
Quer ser firme na mudança? Então idealize o contexto futuro. Se veja em detalhes num cenário em que você apareça mudado. No caso do exemplo da bebida, se ver sóbrio nas diversas situações da vida. Veja como serão suas relações familiares, como elas estarão diferentes. É a posse desse futuro mudado que permite à pessoa ter uma razão para mudar e se manter firme no processo de mudança. Assista o vídeo clicando no link junto ao texto para compreender melhor esse assunto. https://www.youtube.com/watch?v=wM4h3jlbN-o


Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449


A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Instagram: @flavioviver
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

25 de janeiro de 2019

Seja seu Próprio Destino


Seja seu Próprio Destino - Flávio Melo Ribeiro
Tenha o controle da sua vida nas mãos. Ela é muito importante e muito curta para não ser você o guia de si próprio. É claro que a vida é complexa e pouco se faz sozinho, mas não é porque os outros seguirão a jornada da vida ao seu lado, que você delegará as suas escolhas. Tenha coragem para enfrentar os desafios, e paciência para retomar a luta quando a derrota acontece.
Os casos clínicos mais tristes que atendi foram das pessoas idosas, as quais se deram conta que poderiam ter vivido de outra forma. Essas pessoas só conseguiram avaliar que as dificuldades de outrora não eram tão grandes que não pudessem ser enfrentadas, no último quarto do ciclo das suas vidas. Em função do pouco tempo que lhes restava, pouco poderiam fazer para alterar seu destino. Porém, a grande maioria da população está entre 20 e 60 anos de idade, quer dizer, no segundo e terceiro ciclo de vida, pelos índices atuais de expectativa de vida. Então muito podem fazer para construir seus projetos. Mas para isso é preciso deixar a preguiça de lado, ultrapassar seus medos e, principalmente, se autoconhecer para identificar suas qualidades e investir no que tem de melhor.
Procure conviver com pessoas que são positivas, que lhe ajudem a compreender melhor o mundo ao seu redor, e que lhes inspire para alcançar os projetos. Essas pessoas provavelmente não irão fazer por você, pois estão focadas em construir suas próprias vidas. Elas também não deixarão sua vida mais fácil, pois irão mostrar o caminho para você trilhar com vista a construir seu próprio sonho, o que na maioria das vezes é trabalhoso e árduo. Mas são essas as pessoas que estarão torcendo para o teu sucesso e ficarão verdadeiramente alegres com as tuas vitórias. Essas são as pessoas que você deve escolher para estar ao seu lado.
Evite as mágoas e lamentações dos caminhos que não deram certo. Aprenda com os erros e foque, principalmente, na positividade das suas ações. Seja objetivo e agudo para alcançar os projetos. Seja seu próprio destino.  

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449
A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.flavioviver@gmail.com (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Instagram: @flavioviver
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

12 de dezembro de 2018

É possível se conhecer?


Conhecer a si próprio é difícil, pois a pessoa tende a avaliar seus atos a partir de seus projetos, valores e conhecimentos, mas não para de olhar o mundo, nem deixa de julgar os outros e os acontecimentos ao seu redor. Dessa forma seu foco é muito mais os outros do que a si próprio. Por isso que os outros, às vezes, nos conhecem melhor do que nós mesmos, pois eles estão com o foco no que fazemos e nas consequências, somando com as opiniões que expressamos. Um outro empecilho de conhecer a si é não saber por onde começar a observar. Em que realmente se deve prestar atenção em si para aprofundar a autodescoberta? Nesse aspecto é importante ressaltar que conhecer uma pessoa é conhecê-la no mundo entre as demais pessoas, inserida no mundo, com seus desejos e sua história.

6 de dezembro de 2018

A diferença entre SER e TER


A diferença entre Ser e Ter, embora óbvia, é bastante confundida. Geralmente quando se pergunta a alguém quem ela é, geralmente respondem o que ela faz e tem. Respondem qual a sua profissão, o que gosta de fazer, seu lazer, estudo, atividades profissionais e com quem se relaciona. Muito raramente falam do seu Ser, suas características, seus valores, seus desejos e projetos. Mas o conhecer alguém vai além do que ela adquiriu e do que ela faz. Dizer que conhecemos alguém é conseguir antecipar o que essa pessoa vai fazer diante das situações, pois sabe-se quem ela é em seu Ser. Conhecendo a subjetividade sabemos quem o outro é.

25 de outubro de 2018

Você já se viu como realmente está?


Já é de muito tempo o conhecimento, por parte dos psicólogos, da importância da técnica do espelho, quando o paciente consegue se ver através de uma cena protagonizada pelos outros. Dessa forma ele consegue avaliar a si mesmo, utilizando a crítica que usualmente faz aos outros. Assim consegue enxergar com tal clareza que fica difícil continuar se enganando. Quando essa técnica é utilizada em relacionamentos amorosos, ela adquire uma importância bastante significativa; visto que, em geral, o casal tem o desejo de continuar o relacionamento por muito tempo e, diante de tal técnica, algumas pessoas não teriam sequer começado o relacionamento se conseguissem prever o futuro. Claro que esse procedimento técnico não é utilizado com intuito de separar o casal, mas sim para apontar o que eles estão construindo no presente e no futuro.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...