20 de junho de 2018

Diferença de Hobby e Profissão


Durante a escolha profissional é bastante comum querer transformar um hobby em profissão, mas ter uma atividade como passatempo não significa que gostará de realizá-la como atividade profissional, nem que dará certo caso resolva construí-la. Vamos aprofundar esse tema com o seguinte exemplo: um adolescente adora tocar violão, conhece inúmeras músicas e sempre é elogiado pelos amigos por conta do seu desempenho. No entanto, só toca quando está inspirado e se sentindo bem. Esse mesmo adolescente descobre que sua banda preferida irá tocar em sua cidade dentro de um mês e compra o ingresso. Durante trinta dias ficou ansioso para ver o que considera que será o melhor show da sua vida. Porém, no dia do show o principal músico dessa banda se desentendeu com o empresário, discutiu e se alterou emocionalmente.

13 de junho de 2018

Vulnerabilidade Psicológica


 Vulnerabilidade Psicológica - Flávio Melo Ribeiro
A escala de vulnerabilidade avalia quão intensamente as pessoas vivenciam sofrimentos por conta da aceitação de todos que as cercam. Aquelas que apresentam um escore muito alto neste fator, tendem a ter baixa autoestima. Possuem grande medo de que seus amigos as deixem em decorrência de seus erros. Usualmente, são capazes de ter atitudes que vão contra a sua vontade, com o objetivo de agradar os outros. Também são inseguras, são muito dependentes e tem dificuldades em tomar decisões.

1 de junho de 2018

A mudança radical do atual mercado de trabalho

 A mudança radical o atual mercado de trabalho - Flavio Melo Ribeiro
Nesse mundo em transformação, com a tecnologia se somando a todas as profissões, haverá uma grande mudança. Profissões consolidadas irão sumir e outras que nem imaginamos serão criadas. A rotina da jornada de trabalho será alterada para horários flexíveis e a distância. Crises serão instaladas e oportunidades aparecerão a todo o momento. Vale lembrar o dito popular que diz: na crise você encontra muitas pessoas desesperadas chorando, mas também encontra outras satisfeitas com seu trabalho de vender lenços. A questão é: de que lado você quer estar nos próximos anos, chorando ou vendendo lenço?

24 de maio de 2018

Organize suas características

Organize suas características - Flavio Melo Ribeiro
Você quer escolher uma profissão e está em dúvida? Antes de tudo, é importante visualizar o cenário da futura profissão e antecipar como vai ser o dia-a-dia para que consiga se identificar. Mesmo fazendo esse exercício você continua em dúvida? Então é hora de identificar suas características. Inicialmente é comum perceber as que facilmente são apontadas pelos outros: comunicação, gestos, relações, gostos, comportamentos, emoções e etc. Mas isso não é suficiente para uma escolha profissional, é preciso um conhecimento mais profundo.

4 de maio de 2018

Diferença entre hobby e profissão


 Diferença entre hobby e profissão - Flávio Melo Ribeiro
Um dos pontos cruciais da escolha profissional é diferenciar hobby de profissão. Hobby é uma palavra inglesa frequentemente usada na língua portuguesa e significa passatempo, ou seja, é aquela atividade que a pessoa se identifica, se envolve emocionalmente, mas não quer ter a obrigação de fazer todos os dias. A Profissão é uma atividade produtiva que a pessoa desenvolve no mercado de trabalho.

25 de abril de 2018

Conheça o mercado de trabalho

 Conheça o mercado de trabalho - Flavio Melo Ribeiro
Você provavelmente já leu que as novas tecnologias irão mudar as profissões e o modo de vida das pessoas. Mas já se deu conta que algumas profissões simplesmente irão sumir? Ou mudar de tal forma que serão totalmente diferentes? Logo, você corre o risco de escolher uma carreira que não existirá ou não estará tão atuante quando você se formar. Sendo assim, é importante que esteja ciente e preparado para encarar novos conhecimentos tecnológicos que irão incorporar no ofício que escolher. E aí fica a questão, você continuará a gostar daquela profissão que escolheu?

19 de abril de 2018

Supere a timidez

 Supere a timidez - Flávio Melo Ribeiro
Ter vergonha de si diante dos outros. Esse é o princípio básico de qualquer sentimento de vergonha do ser humano. De alguma forma, a pessoa não quer ser vista daquele jeito ou naquela situação perante os outros. No entanto, a vergonha não precisa ser tratada como algo ruim se usada de maneira correta, já que ela pode ajudar o indivíduo a fazer as escolhas conscientes para sua vida. A vergonha de ser vista em determinados locais, em companhia de certas pessoas ou pela forma como está agindo, é sinal de que nem a própria pessoa aprova o que está escolhendo e consequentemente pode dar um novo rumo para sua existência. Esse sentimento está na base do que é denominado qualidade. Um dos parâmetros utilizado pela pessoa para identificar se seu trabalho não está bom é quando ela percebe que tem vergonha de mostrar as pessoas.

11 de abril de 2018

Quem sou eu?


 Quem sou eu
Você se conhece profundamente? Sabe quem realmente é? Você usa suas características a seu favor? Essas perguntas podem parecer estranhas para um adulto, já que todos, de alguma forma, sabem quem são. No entanto, a essência aflora quando o ambiente e as pessoas se transformam em algo perigoso e é necessário agir de imediato, sem tempo para refletir. As ações e as falas posteriores ao perigo serão completamente espontâneas. Todo o aprendizado acumulado durante a vida e toda a nossa personalidade construída, irá agir. Você continuará consciente durante a ação e achará que é o melhor que tem a fazer, porém nem sempre o resultado irá a seu favor.

28 de março de 2018

O amor não tem idade

 O amor não tem idade
As mudanças sociais que ocorreram na última década não foram apenas para os jovens, os integrantes da dita terceira idade passaram por uma alteração impensada até então. Além da longevidade, maior disposição e liberdade social, passaram por uma transformação amorosa sem precedente na história. O aumento das possibilidades de lazer em grupo, como viagens, bailes e redes sociais proporcionaram encontros amorosos que até poucas décadas eram condenados.

22 de março de 2018

Os três primeiros meses de trabalho, como superá-los?


 Os primeiros três meses de trabalho, como superá-los?
Os primeiros três meses de trabalho em uma empresa são de avaliação, tanto da empresa em relação à contratação definitiva do novo colaborador; como por parte do colaborador, ao verificar se tem interesse em trabalhar na empresa. Pois se o colaborador não se identificar com a cultura, ambiente e colegas da nova empresa, ele não será feliz. E é muito ruim trabalhar num lugar do qual a pessoa não gosta. Você leitor deve conhecer quem reclama de trabalhar e que não vê a hora de chegar o final de semana. Um nítido sinal de que a pessoa não está identificada com a empresa ou com o ambiente que está trabalhando. Provavelmente não vê um propósito para o que está desenvolvendo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...