4 de maio de 2015

No Jardim das Borboletas

No Jardim das Borboletas Psicólogo Flávio Melo RibeiroNa minha vida profissional é comum me deparar com diversos textos e teoria sobre relacionamento amoroso. Um deles me chamou muito atenção e o trabalhei com muitos pacientes. Eram as duas possibilidades básicas de se caçar borboletas, uma é se armar de uma rede presa a uma haste entrar no bosque e começar a caçar e prender as borboletas. A outra é pegar um terreno, limpar, plantar grama, árvores e arbustos de flores. Cuida-lo com esmero e quando o jardim florescer as borboletas virão por espontaneidade, ficarão livres, mas com desejo de permanecer. Esta segunda forma é a mais adequada e a mais rápida de se buscar um novo relacionamento.
A pessoa ansiosa não quer esperar alguns meses para organizar o jardim e colher o seu “prêmio”, quer de imediato e esse pequeno espaço de tempo se estende, por vezes, anos a fio. A solidão se instala, as manias crescem, as exigências se ampliam e mais difícil é encontrar alguém que sirva. Geralmente o ansioso não faz uma autocrítica e vê apenas os defeitos das pessoas que não conseguem se adequar num pequeno espaço de tempo no seu grandioso sonho.


Por outro lado a pessoa que consegue o equilíbrio emocional de montar com calma seu jardim consegue ser notada positivamente pelos outros. Ela cuida do seu corpo, amplia seus conhecimentos, tem uma alimentação balanceada, investe no binômio trabalho e lazer. Vive um projeto de ser e de vida definido, apresenta equilíbrio financeiro, independente do quanto ganha. Faz uma autocrítica, supera ou ameniza suas falhas, melhora seu relacionamento com o outro, sabe pedir desculpas quando erra, orienta o outro. Lendo desse jeito parece um sonho, que essa pessoa não existe, mas não é verdade. Nesses anos profissionais, pude acompanhar o desenvolvimento da construção desses jardins em dezenas de clientes. Em questão de meses, espontaneamente passaram a ser notados e as borboletas vieram. Só precisaram espantar as “mariposas” que vinham para tentar atrapalhar. Geralmente as mariposas são os ansiosos que querem “ganhar” um jardim já feito pelo outro e que muitas vezes querem apenas “comer, usar e ir embora” literalmente, se é que me entende.


Se você tem dificuldade de construir sozinho seu jardim, peça ajuda. Veja o texto Duas perguntas que mudaram uma vida.



Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.

Contato.
Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Twitter: @flaviopsic

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...