3 de julho de 2015

Encontros e Despedidas


Encontros e Despedidas Psicólogo Flávio de MeloO amor inevitavelmente é constituído de encontros e despedidas e, na maior parte, não sabemos quando encontramos e nos despedimos. Quanto à despedida, até pode ser uma escolha unilateral. O encontro necessita da escolha mútua. Escuto que a despedida é uma vivência muito difícil, mas na realidade ela é apenas mais dolorida, pois se pensarmos melhor o encontro é muito, mas muito mais difícil de ocorrer. Iniciar um relacionamento implica uma grande somatória de pequenos “encontros”, sem contar com os inúmeros encontros com “outros” que podem afastá-los. Um relacionamento se inicia com algum tipo de atração, geralmente física ou comportamental. O problema é que ela precisa ser mútua. As diferenças e afinidades precisam se complementar e transformar o outro numa pessoa especial que se destaque de todas as outras. Uma vez constituído o amor, ele vai se manter pelo respeito. Não interessa a idade nem a intensidade das carícias e seus desdobramentos, o respeito que é a “cola” do amor, mas é a paixão, a atração, o desejo, o toque, que dão o tempero do amor.


Mas a despedida pode ser por causas naturais, um dos dois morre; pode ser por desequilíbrio de um deles (álcool, drogas, agressividade, invasão de privacidade, ciúmes exacerbados), pode ser por traição, por desrespeito ou pode ser por repulsão. Esta ocorre quando a paixão passa, quando percebe que o outro não é mais especial, que não sente mais falta. A tendência é a repulsão ser o foco do relacionamento: as desculpas para não se encontrar passam a ficar frequente, o sexo diminui, o carinho não se transforma em carícia, o calor esfria.

A despedida nessa situação é dolorosa para os dois, sair é tão difícil quanto ficar. Tomar a iniciativa da despedida é lançar-se para o novo sem a certeza do passado, ficar é viver a tristeza e saber que precisa virar a página para tocar sua vida. Se foi você quem ficou, e por um acaso venha a encontrar quem tomou a iniciativa de sair, não interessa como você estiver, apresente-se bem, preferencialmente de uma maneira que o outro pense que foi ele quem perdeu.

E se o outro pede um “tempo” na relação como agir? Esse vai ser o tema do próximo texto. Até semana que vem.



Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.

Contato.
Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Twitter: @flaviopsic

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...