16 de outubro de 2015

A Depressão e o Namoro

A depressão é um dos estados emocionais que vem aumentando em número e em gravidade na população mundial. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), entre 2020 e 2030, a depressão será a doença mais comum do mundo. Atualmente ela atinge mais de 121 milhões de pessoas. É um problema que afeta todas as relações da pessoa, porém esse artigo tratará da relação do depressivo com quem este namora, identificando de que maneira afeta negativamente o dia-a-dia do casal e possíveis alternativas para contornar e superar problemas causados por atitudes inadequadas. O termo “namoro” utilizado nesse texto corresponde a todas as formas de relacionamento amoroso.


Como já vimos nos textos Sintomas da Depressão, Penumbra e Aspectos Gerais da Depressão publicados no blog flaviomeloribeiro.com.br, a depressão tem como principal característica psicológica a falta de futuro, que acarreta desânimo e desesperança. Essas características afetam diretamente o namoro, pois o humor do depressivo fica rebaixado e este não tem vontade de fazer suas atividades, se afasta dos carinhos e tende ao isolamento. A preferência pela sosinhez é nítida.
Quando procura fazer as mesmas atividades que fazia antes com o parceiro, não consegue fazê-las com a mesma intensidade. Ao se perceber assim, começa a se questionar o que está acontecendo consigo, com seus sentimentos e com o namoro. A preferência pela sosinhez a faz colocar o namoro em questão, porém essa avaliação é viciada, pois está afetada pela depressão (que a faz pensar negativamente). Sem um diagnóstico adequado sobre a depressão, a pessoa pode entender que seu desânimo é causado pelo namoro, e não o inverso: o desânimo do namoro ser consequência da sua depressão.
Essa falta de futuro aparece nas pequenas relações do dia-a-dia. O depressivo realiza as ações sem emoção e, com isso, o namoro começa a perder a graça. A pessoa sente-se como artificial quando antes era prazeroso viver. O cansaço interfere na vontade de fazer algo que implica algum esforço e, quando o casal está afastado, prefere ficar sozinha a querer novamente encontrar o parceiro. Como nessas situações não há uma queda abrupta na depressão, esse estado começa se instalar gradativamente até a pessoa se pegar desanimada e com a certeza de que ficar sozinha é a melhor opção.

Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.

Contato.
Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Twitter: @flaviopsic

Um comentário:

  1. Como fazer pra inverter essa situação estou vivendo isso meu namorado disse que o amor que se sentia por mim se transformou e que não conseguiria se relacionar com mais ninguém... Depois que o pai dele morreu 10 dias depois veio até mim pra terminar nosso namoro estávamos tão bem e felizes ele já tomava uns remédios pra ansiedade mas estava tudo controlado... Mas agora ele estar muito infeliz desanimado disse pra os amigos que gosta de mim mas que não aguenta mais pressão que só queria na vida o pai de volta que não consegue estudar que era o que ele mais amava não quero acreditar que seja o fim eu o amo e a única coisa que eu quero é que ele se recupere disso e volte a ser o namorado que ele sempre foi.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...